Saturday, November 26, 2005

A pré-campanha


Apelo ao voto...

Saturday, October 29, 2005

Que tristes...

“Recebi esta mensagem de um amigo que teve de fazer uma escolha...Ele disse-me que no final eu teria de escolher também...Agora é a tua vez! Há algum tempo atrás uma mãe puniu o seu filho de 5 anos por estragar umrolo de papel dourado que tinha por fim decorar uma caixa a ser colocadasob a Árvore de Natal.Na manhã seguinte à noite de Natal, o menino trouxe a caixa e entregou-a àmãe dizendo:"Isto é para ti, mãe". A mãe ficou embaraçada pela reacção precipitada, mas a sua raiva aflorouquando viu que a caixa estava vazia, e falou rudemente com o menino:"Tu não sabes que quando se dá um presente alguém é suposto haver algumacoisa dentro do pacote?".O menino olhou-a lavado em lágrimas e disse:"Oh,mas a caixa não está vazia, mãe. Eu soprei para dentro dela , até ficarcheia de beijos".A mãe ficou arrasada. Ajoelhou-se e pedindo perdão ao filho pela sua irairracional, e abraçou-o com ternura. Pouco tempo depois,um acidente tirou avida ao menino e a mãe guardou aquela caixa dourada perto da sua camadurante toda a sua vida.Sempre que estava deprimida ou tinha de enfrentar problemas,ela abria acaixa e imaginariamente tirava um beijo recordando assim o amor que acriança tinha colocado lá.Verdadeiramente, cada um de nós tem recebido uma caixa dourada cheia doamor da família e dos amigos.Não há maior tesouro!Tens agora, duas escolhas...1. Enviar esta mensagem aos teus amigos e amigas2. Apagá-la, fingindo que não foste tocado por ela.Como podes ver, escolhi a número 1.Amigos são como anjos que nos levantam nas pontas dos pés.Quando as nossas asas têm problemas, eles lembram-nos como voltar a voar.”

Eu só quero perguntar isto… Mas que raio de palhaçada é esta?!? Porque é que quem me manda mails destes teima em subestimar a minha inteligência?! Lá que hajam totós a querer dar dinheiro à hotmail e afins tudo bem... agora incomodar os outros com lixarada desta é que não!!!Para além de serem burros que nem um cepo, é preciso ter mau gosto para gostar destas historietas de baixo orçamento! Será que ainda não aprenderam que isto é tudo criado por uma simples questão monetária?! Além disso gostava de saber quem é o atronhado que inventa estas histórias da merda?! Sempre a mensagenzinha positiva depois da desgraça monumental…
Que vontade de cabritar!!! Isto causa-me uma repulsa tal que para mim um final feliz era o puto saltar aos cornos da mãe e parti-la toda, ou ela própria afogar o seu anjinho na pia como está tão na moda nos EUA! (afinal de contas quem quer um puto anormal como este para filho?! Com actos destes já não engana ninguém, será um gayzão de primeira!!!)
Parem mas é de me mandar lixo deste, que as histórias são detestáveis e não gosto de encher os bolsos de quem já é rico!!

Sunday, October 16, 2005

O acto de contrição



O futuro? É incerto!
Mas hoje fui feliz, 14 anos depois...

Friday, October 14, 2005

Autárquicas - Volume II (conclusões)

Esta temporada de autárquicas tornou-se absolutamente indigesta para mim. Será que existiu algum candidato sério neste país? No périplo de debates a que assisti, permaneci completamente horrorizado com o deserto de ideias.
A mediocridade da classe politica já se torna insuportável, o facilistimo com que se montam soluções quiméricas e completamente irrealistas é flagrante, não há o menor fundamento no seu discurso prometendo mundos e fundos e projectos megalómanos!
Os candidatos apresentaram ideias vagas e apenas se viram castelos no ar, sem no entanto explicarem de forma clara e directa ao eleitor aquilo que devia ser a sua prioridade e qual iria ser a sua estratégia para os proximos quatro anos: “Porquê votar em mim e não noutro? O que tenho eu de interessante e construtivo a oferecer à autarquia e porque é que acho que é dessa forma que se lhe vai conferir um rumo?” E já agora que rumo seria esse?
A abordagem simplista e pela rama foram as tónicas dominantes, iam-se falando das coisas por alto, sem haver certezas do que se estava a dizer, e principalmente quando se viu que, regra geral, não havia estudos feitos sobre os problemas de fundo de cada município, a impreparação era total! Atiraram-se propostas para o ar, como quem atira fichas de jogo para uma mesa de roleta…
Mas o pior naquele bando de inúteis, é a relação (ou falta dela) altamente irresponsável com os números, a maneira como manipulam argumentos usando números a torto e a direito, gráficos para aqui e para ali, projectos disto e daquilo! Sabendo nós que a maior parte deles é uma cambada que nem uma conta de dividir sabe fazer (aliás é por a maioria dos politicos não saber fazer contas que a nossa Economia está em coma!!).
Como é possível que numa discussão em que a coerência e o seguimento lógico com um fio condutor de ideias deviam presidir, os candidatos só saibam agredir-se e caluniar-se, levantando falsos testemunhos, sempre numa lógica de “tu és mau eu é que sou bom” prometendo em contraponto o céu e a terra?!
É preciso projecto, estratégia! É de uma garotice inqualificável aquilo a que fomos sujeitos assistir, relembrando-me apenas a canalhada do secundário a fazer campanha numa Jota qualquer, encarando o acto como um jogo em que têm de ganhar apenas por uma questão de orgulho pessoal.
Lanço a pergunta: Será que o povo já não evoluiu um pouco mais para perceber de uma vez que já custa engolir este tipo básico de confronto político? E que já não é suficiente para ser critério de voto a oferta do saco de plástico ou da canetinha com o simbolo do partido? É absurdo tentarem tratar os eleitores como imbecis, como autistas que engolem tudo sem questionar nada!
Por mim dei a resposta que achei a mais acertada no dia das eleições dizendo claramente:
Comigo não há borlas! Vocês é que são os imbecis!

P.S.- Isto para não falar na enorme drenagem de dinheiro do orçamento de estado que todos os anos vai para os municipios, e na esmagadora maioria de câmaras que está completamente endividada, fruto de gestões ruinosas.

Um agradecimento especial na publicação deste post a zoo!

Monday, September 26, 2005

Autárquicas - Volume I

“Posso ajudar a eleger com o meu voto, de modo legítimo e com a anuência da constituição, o mais reles dos ladrões para coerentemente se comportar como o maior dos chulos e assim expoliar serena e tranquilamente a minha própria cidade nos proximos quatro anos?” - Eis a pergunta que se imporá de Norte a Sul de Portugal antes de se entrar na sala de voto no dia das eleições autárquicas!

Saturday, September 24, 2005

Uma arroba de parvoice

Acho lamentável quando as pessoas mais velhas, ou simplesmente aquelas pessoas que querem mostrar superioridade intelectual, tentam inferiorizar aqueles que estudam, que têm um curso superior, ou que simplesmente têm fama de ter uma cultura geral acima da média, usando o seguinte discurso – “Olha lá tu que andas a estudar/tens a mania que sabes tudo/és formado, sabes muita coisa mas não sabes quanto é um alqueire…” – se por acaso a pessoa tem a ousadia de dizer que não sabe, pronto! Está o caldo entornado! – “O quê??? Não sabes isso??? Que vergonha, uma pessoa do teu calibre não saber uma coisa destas!! Eu tinha vergonha!”
Dá vontade de responder - Sim!!! Não sei, e???? Qual é o problema?? – Este tipo de situação, é tão portuguesa! Concordo que toda a informação é útil e faz parte da cultura geral, mas não acho assim tão escabroso não saber isso porque:
Ponto 1 – É uma mera questão de nome, é apenas uma simples e singela correlação entre uma designação que um parvo qualquer inventou e uma determinada quantidade. Em vez de se dizer 15kg de batatas diz se 1 arroba de batatas… onde está a ciência disto?
Ponto 2 - Já caiu em desuso, pois essa era uma linguagem de agricultores, de quem trabalhava no campo e sobretudo dos tempos do aperto e da fome… Era essa que felizmente já passámos, faz algum tempo! Não seria já a altura certa para deixarmos a mentalidade ancestral? Que obsta ao avanço e evolução desta sociedade Portuguesa?
Ponto 3 – Não acho sequer que objectivamente simplifique alguma coisa, e alguém no seu perfeito juízo considera que é útil em vez de dizer 15 kilos, dizer uma arroba? É a mesmissima coisa!
Ponto 4 – As típicas pessoas que fazem gala desse conhecimento que pelos vistos é tão importante, são as mesmas que se for preciso não sabem o básico do básico para a sua vida quotidiana, como a tabuada, quem são os ministros que compõem um qualquer governo que esteja no poder, quem foi Adolfo Rocha, ou quem escreveu Os Maias. Já nem sequer vou focar se sabem as diferenças económicas (pelo menos em teoria) entre um governo de esquerda e direita (o que em última instância pode ser importante para estebelecer um critério de voto para eleger um primeiro-ministro)
No outro dia vi uma reportagem na TV em que uma jornalista entrevistando alunos do Instituto Superior Técnico, tentava mostrar em tom jucoso, o facto de muitos alunos não saberem este tipo de terminologia do alqueire e da arroba! Parvos foram eles em perderem tempo precioso com tamanha imbecilidade. Gostaria era de perguntar à iluminada que têve a ideia de fazer essa reportagem se tem noção de que esse tipo de nomenclatura jamais intervém em fase alguma do conhecimento moderno de Engenharia. E já agora de dizer que em todas as áreas desse mesmo conhecimento se trabalha em unidades SI (sistema internacional de unidades) que são medidas de referência de várias grandezas para que um qualquer trabalho cientifico, seja correctamente interpretado, sem ambiguidades. Portanto a douta jornalista que não se espante quando num projecto de pontes por exemplo, encontrar as medidas de comprimento em METROS!
Sugiro que guarde mas é a prodigiosa inteligencia para fazer bem os trocos quando for às comprinhas, e não meta o nariz naquilo que não sabe, nem conhece!

O agradecimento, de um zoo de ideias

Sunday, September 11, 2005

O palhaço Ronnie


-Porquê é que um jogador que foi contratado para jogar a lateral direito é posto a jogar a médio esquerdo?
-Porquê um central a jogar a lateral esquerdo quando o plantel tem dois jogadores de raiz a fazer essa posição?
-Porque é que uma equipa cuja filosofia é jogar para ganhar em todos os jogos, joga com três centrais, e quatro jogadores no meio, criando uma barafunda onde ninguém se entende, mais parecendo uma equipa que não quer descer de divisão?
-Porquê a entrada de um central quando se está a perder 1-0?
-Porquê as oscilações tácticas e a continuação de experiências já em plena competição, depois de uma pré-epoca onde isso tudo podia ter sido testado?
-Porquê a inclusão de um jogador no onze inicial (num dos jogos mais importantes) que quase nunca jogou na pré-época, nunca marcou um golo nem neste inicio de campeonato nem no ano passado, e o seu rendimento em campo se aproxima sempre do zero?
-Porquê continuar a apostar num lateral direito que só está interessado em arranjar quezilias e confusão, não sabe fazer um cruzamento com perigo, não sabe ganhar o um para um, e não é nada de especial a defender, sabendo que houve um jogador propositadamente contratado para fazer esta posição, que repito anda a jogar a médio esquerdo?
Demasiadas perguntas sem resposta….

Para o anedotário ficar completo apenas falta colocar o guarda-redes a ponta de lança e colocar um jogador de campo a guarda-redes!
Penso que aqui não está em causa a mera discussão tactica, e a normal divergência de visão e opinião dos adeptos, compreendo que treinadores de bancada todos somos e cada um faria a coisa à sua maneira, mas neste caso considero que estes já são erros grosseiros! Grosseiros demais e que ultrapassam a fronteira do razoável, para uma pessoa que quer fazer da sua profissão treinador de futebol (ainda por cima numa equipa que tem os mais ambiciosos objectivos!) Nem nos piores cenários conseguia imaginar tamanha brutalidade mental em termos de opções tecnico-tácticas! Não se vê disto nem na 2º liga…
Estabelecendo uma analogia, seria a mesma coisa que num tabuleiro de xadrez colocar uma torre a andar aos L e o cavalo a mover-se na diagonal…
Os numeros falam por si, 1 golo marcado, 1 ponto, pior inicio de época da história do clube!
Quero no entanto referir que este post não tem nada a ver com clubismos, nem propaganda clubistica. É apenas um comentário objectivo e despretencioso a um facto que na minha opinião não pode deixar de ser sublinhado tendo em conta os niveis de disparate gritante que já foram atingidos!
Ronnie, as crianças esperam-te à porta do Mac!

Wednesday, September 07, 2005

Breve sumário sobre a teoria da relatividade...

Imaginemos uma nave espacial que tem acoplada no seu exterior um cilindro completamente fechado, com uma bola saltitona lá dentro, que está permanentemente a saltar para cima e para baixo, fazendo ricochete quando toca nas extremidades desse mesmo cilindro. (fig. 1)
Imaginemos agora que a nave começa a andar à volta da terra, aumentando progressivamente a sua velocidade. Nesta situação e para um astronauta que assiste a tudo do lado de fora da mesma, percepciona um movimento diferente da bola, vê um movimento como o da figura 2.
Quando isto acontece, começamos a perceber que a bola começa a levar mais tempo a chegar da extremidade A para a extremidade B e vice-versa.
Chegando a velocidades próximas das da luz, para o tal astronauta que está assistindo a tudo, vê ainda outro movimento diferente, passa a ver uma linha recta!! Tal como a figura 3 ilustra!!!!
Posto isto, é possivel afirmar que podemos efectivamente viajar para o futuro! E verifica-se o tal paradoxo sempre que se fala em teoria da relatividade, “um minuto de circulação à volta da terra à velocidade da luz, corresponde a 100 anos na própria terra!”
Com este exemplo da bola, pretende-se ilustrar que a noção de tempo não é bem aquela a que estamos habituados e que em boa verdade pode ser algo variável! Quanto maior a velocidade, mais o tempo demora a passar!
Não é espantoso?

P.S. - Esta é sem dúvida a melhor explicação que já ouvi até hoje sobre a teoria da relatividade!

Thursday, September 01, 2005

O papagaio de Belém

Acredito que o chupa-chupa da República seja delicioso, quando acaba a mama é dificil ter de o largar, mas quando inicialmente nos deram o chupa-chupa que sabe bem, já sabíamos de antemão que um dia tinhamos de o passar, para dar vez a outro de o lamber.
Quando chegamos ao ponto de perder a vergonha e tornamo-nos automaticamente em lambões descarados, esquecendo as regras da educação e perdendo a compustura, a coisa torna-se feia…
Não sejas feio Mário!
Vejam lá o poder que este docinho exerce nas pessoas….

- “Não! Nem no parlamento europeu, nem em parte nenhuma…” - (Quando questionado sobre o seu futuro politico) 26 de Fevereiro 2002
- “Basta! Nem politica partidária, nem exercicio de cargos politicos, basta!" - (Idem) 7 de Dezembro 2004
- “Eu acho que isso seria uma loucura porque a vida politica tem que se renovar e não pode estar ligada sempre às mesmas pessoas, eu sou um homem que teve o seu papel na politica, mas agora estou interessado noutras coisas, portanto isso está fora de jogo! Não faço politica prática... porque evidentemente não tem sentido, seria um dejá-vu. Nem numa situação limite!” (Sobre uma eventual candidatura sua à presidencia da Republica)
- “Não tenho dúvidas nenhumas que se o Manuel Alegre se apresentar como candidato que o vou apoiar! Isso pra mim é evidente e acho que para ele também será evidente.” (sobre Manuel Alegre)
- “Eu já disse duas vezes que apoiaria o Manuel Alegre, se o Manuel Alegre for o candidato do partido socialista” (quando questionado sobre quem apoiaria, Manuel Alegre ou Freitas do Amaral como candidatos à presidencia)

Não sei o que é pior:
- O narcisismo?
- O culto do eu a todo o custo, e o egocentrismo desmedido?
- O fortissimo apego ao poder e a extrema relutância em largá-lo?
- A demência, dizendo autênticos disparates? (como o caso em que disse ser necessário dialogar com terroristas)
- A mudança de comportamentos e opiniões completamente antagónicas em curto espaço de tempo?
- O ter referido no anúncio da candidatura à presidência que caso fosse eleito ia mudar aspectos como a economia, o desemprego, a crise na União Europeia, a fuga aos impostos, o aperfeiçoamento da segurança social? (que como TODOS sabemos são tudo decisões que unicamente estão sob a tutela de um governo)

Oh Mário! Não te levo a mal pa!! Sei que estás xexé e que apesar disso tens saudades da mama não é? Sabia-te bem! Mas isso é feio, os outros também têm direito a mamar um bocado!
Dá lá o chupa-chupa para seres um menino bonito!

Saturday, August 27, 2005

Um país de cães

Pertinente, é o minimo que se pode dizer de uma recente reportagem do jornal Expresso sobre o numero astrónomico de animais que todos os anos são abandonados em período de férias. Tal como os incêndios, está-se a tornar uma prática cada vez mais frequente e normal na altura do Verão. Como é possivel não haver sanções para estes actos hediondos? (já nem vale a pena perguntar como é possivel haver pessoas que o façam de modo tão brando e banal…).
Quem não os pode ter, santa paciencia não os tenha… abandoná-los é pior a emenda que o soneto! Pois quando capturados pelos canis municipais, se ao fim de oito dias ninguém adoptar ou reclamar o animal, este terá de ser "eutanasiado" como eufemisticamente é referido.
Pelo Decreto-Lei 276/2001, de 17 de Outubro a violência contra animais com abandono incluído é punida com coimas que variam entre os 500 e 3740 euros, que podem atingir os 45 mil euros no caso de pessoa colectiva. Mas segundo as várias instituições protectoras dos animais não há memória de que alguma vez alguém tenha sido sancionado (afinal são só os animais que querem ir dar uma voltinha…). Como em milhares de casos deste país, a lei existe, só(!!!!) falta fazer cumpri-la…
No fim de ler esta reportagem, é inevitável não pensar outra vez nos incêndios... porque depois de todas estas trágicas consequências e de aprofundado estudo, eis a genial conclusão a que a classe politica chegou para acabar com este crime: criação de uma lei para obrigar os particulares a limpar as suas matas.
Está-se mesmo a ver no que vai dar a nova lei, não está?
Eis um país de cães…abandonados!

Thursday, August 25, 2005

Quero afugentar todos os leitores deste blog!

O Clay Mathematics Institute (CMI), de Cambridge, Massachusetts oferece 1 milhão de dólares a quem resolver um de entre sete problemas mais intrigantes da matemática.
A solução deste país está à vista! Não andamos todos tesinhos quem nem um carapau? Não andamos todos desesperadamente à procura de dinheiro? Não é o Português um ser ávido e sedento de conhecimento? Não está ele necessitado de aprofundar a sua intelectualidade? Eis a resposta a tantas perguntas! Matam-se vários coelhos com um só tiro!
Aqui fica um desses sete problemas, para quem quiser tentar. Vinde potenciais Artures vinde! Retirai a espada da pedra!
Antes de se debruçarem sobre a questão, apenas umas pequenas informações adicionais… É considerado até hoje o mais importante problema da Matemática Pura (é um dos problemas do milénio), já tem mais de 150 anos e ninguém o consegue resolver.
Boa sorte…

“Hipótese de Riemann”

Enunciado: Provar que os zeros não triviais da Função Zeta de Riemann no plano complexo que têm parte real entre 0 e 1 estão sobre a recta Re(z)=1/2.
Dados: Função zeta -> ξ(s): =Σ 1/n^s
Bónus: A serie é absolutamente convergente (para não dizerem que não têm ajudas!)

Divirtam-se!!!
P.S. – Nada de usarem calculadora! Batotice não!

Tuesday, August 23, 2005

...A bonança!

Johann Sebastian Bach (1685 - 1750) - Prolífico e genial compositor barroco, nascido em Eisenach, Alemanha. É consensual o titulo que lhe é atribuido de pai da música clássica. Considerado um dos maiores e mais influentes compositores da história da música. Grande parte das suas obras, reflectem uma grande profundidade intelectual e uma expressão emocional impressionante. Alguém disse que escutar Bach é tocar no divino... o que mostra a excelência deste génio, que morreu completamente cego.
Eis uma pequena amostra do estilo deste grande músico, que em opinião pessoal, é um dos mais brilhantes e conhecidos trabalhos "Brandenburg No3".
http://jastmi.com/downloads/downloads.php?dir=midi (midi nº 12)

Sunday, August 21, 2005

Fábulas de encantar

Era uma vez há muito, muito tempo, um reino distante que era governado por gangsters!
Dentro desse grupo havia um elemento que supostamente era o que mandava mais e chamava-se burro, que por sua vez tinha uma especie de ministro-lacaio a quem chamavam palhaço e que o substituia quando ele não estava. Eu disse supostamente porque eles os dois não passavam de simples marionetas, das grandes multinacionais, do corporativismo e dos lobbies que os tinham ajudado a chegar lá.
Esse reino andava mal, tão mal que o próprio povo era conhecido por outros reinos por ser o mais estupido, boçal e porco. Imagine-se que eram capazes de pegar fogo ao próprio território por uns miseros euros! Que tamanha estupidez, julgavam que ganhavam algo, quando no fundo prejudicavam-se a eles próprios!
O parvo do burro queria era boa vida! Enquanto o país entrava em colapso, ele e a sua pandilha empanturravam-se o mais possivel, e colocavam os amigos também no grupo do poder (clientelismo). Nas questões dos incendios então era grotesco…. o povo ficava sem as suas casas, sem o produto do qual dependia para viver, ficando na mais absoluta miséria e tudo o que aquele bando de parasitas queria era férias e nem sequer autorizavam ajuda exterior para ajudar o combate dos fogos, portanto a incompetencia também existia.
Os problemas eram muitos, mas o povo também tinha culpa porque era incorrigivel, não queria trabalhar, tinha muitos vicios e a grande maioria deles (eu diria 90%) tinha a inteligencia igual à de um verme. Nem sequer o rei se aproveitava, era um totó dos grandes que também estava refém de quem la o pôs e tomava decisoes a favor dos seus apaniguados.
Certo dia o reino extinguia-se em chamas de forma mais violenta como nunca tinha acontecido antes, o rei já estava de tal forma habituado ao que sucedia todos os anos, que já nem valia a pena interromper as férias para vir prestar auxilio ao povo que representava, já era uma situação normal, mas como naquela altura passou por lá o seu grupo de músicos favorito, este já não teve pejo em as interromper para os condecorar e assistir ao espectáculo!
Esta história dos incêndios, da incompetencia, da corrupção e do clima de impunidade já estava a exagerar e a passar das marcas, o povo fartou-se, e como era brutalmente ignorante, a medida das suas acções tambem o foi, então decidiram negociar com um bando de fundamentalistas radicais para vir tomar conta do país. A partir daí a severidade imperou, empalharam a toda cambada (rei incluído), e o povo passou a viver sob o jugo de um pulso de ferro!!!
Ahhh e viveram felizes para sempre!!!
FIM

Moral da historia: “Eis o que acontece aos inuteis que não sabem usar a liberdade que têm!”

Thursday, August 18, 2005

Uma questão de Ventura



Tocam à campainha, pergunto quem é, e a resposta vem pronta “É Ventura, o homem dos estores”. Que fabulosa apresentação! Eu a pensar que apenas nos livros do nosso caro Eça, as pessoas falavam na 3ª pessoa e sem o artigo definido, como que se estivessem a falar de outra pessoa que não elas próprias! Excelente!
Enquanto Ventura arranjava o estore, e sentido-me na obrigação de dar dois dedos de conversa, veio à baila o assunto dos incendios e eis que este me demonstra uma visão nova da questão, pelo menos como eu a entendia, dizendo-me:
“Eu sinceramente vejo esta coisa dos incendios de maneira diferente, tudo bem é complicado para as pessoas, ficam sem casa, é uma chatice grande…..mas eu tenho mesmo pena é dos animais! As pessoas podem chorar e gritar e queixar-se, ficam sem casa é verdade, mas depois acabam por ficar é com uma melhor do que a que já tinham! Os animais não, é uma tristeza para eles, não se podem queixar, e depois vão viver para onde? Como é que depois sobrevivem? Deles ninguem quer saber!! Essa é que é essa! Primeiro deviam estar os animais!”
De facto o nosso egoismo não permite que vejamos estas questões de fundo. É chocante o esclarecimento e a visão ampla que este senhor me proporcionou, cheguei a pensar que se calhar ele é que devia estar à frente de um executivo para governar esta nação.
Mas depois lembrei me de algo interessantissimo, o primeiro-ministro tem exactamente a mesma visão de Ventura, ou Ventura tem a mesma visão do primeiro ministro!
O carissimo Sócrates, enquanto o país estava a arder, deu ou não a primazia aos animais? Não os foi caçar para o quenia? Não esteve em contacto com eles no safari?
E o ministro António Costa tratou de seguir as linhas mestras do seu chefe agindo de acordo com a acção do lider de governo. Sempre no conforto do gabinete, sempre evitando ir aos sitios do flagelo, porque em politica isso fica mal (ia dar muito espectaculo), a própria reunião com os governadores civis, e a magistral conclusão a que todos chegaram no fim “afinal tudo se fez e não houve falhas! “ com uma atitude e conclusão destas, pergunto - Quem esteve primeiro? Primeiro os animais!!
Está certo! Certissimo! Se impera essa lógica, entao o nosso governo esteve bem, aplaudo com vigor! A coerencia está presente, e tanto acusam os politicos de assim o não serem.
Só fico é com a duvida de quem fica com o papel de animal nesta história. Os ministros? O povo? Ou os animais própriamente ditos?
Acabo com outra interrogação, é Ventura que tem o governo que merece, ou é o governo que terá a ventura que merece?

O que é nacional, é bom! (bem bom!!)

Embora este espaço seja recente, com poucas publicações e não obstante o facto de todas elas até agora serem críticas sublevadas a alguns aspectos menos bons da nossa sociedade, faço uma pausa na “desanca” e eis que é chegado o triunfal momento de exaltação nacional.
Começo por lançar a seguinte interrogação, já pensaram como o português, é um ser engenhoso e cheio de talento? De imediato irão ver que não falo em vão!
Os suiços pensaram que tinham inventado uma grande coisa, aquando da descoberta do canivete multi-usos! Pois digo-vos que há uma ferramenta poderosissima de longe superior, capaz de destronar essa mera amalgama de mini-facas! Mas, onde está ela? E respondo eu! Está em Portugal, mais propriamente, com os portugueses!
Decerto já ouviram falar na famosa unhaca do dedo mindinho! Contudo alerto o caro leitor, para não fazer uma tentadora abordagem superficial do assunto, convidando-o a perceber porque dedico uma publicação apenas sobre esta importante temática nacional.
Experimentem contactar com um qualquer Português de meia idade que tenha estado no ultramar que use meia branca, e fio de ouro. Depois de detectado o “especimen” reparem bem no seu dedo minimo! E o que encontram? Uma unha comprida, comparativamente com as unhas dos outros dedos muito maior, com um tom ligeiramente amarelado e aspecto endurecido! (exactamente! Estilo casco)
Mas que tem isso a ver com o canivete suiço? Bom, tem tudo!
A unhaca, é pau para toda a obra, dá para tudo, desobstruição e limpeza da zona nazal, é removedora de alguma “casca” ou amalgama de pêlos incómoda que pulule dentro da orelha, serve tambem de talher, quantas vezes já não vimos usar a preciosa ferramenta para provar o tempero da comida, para uso como chave de parafusos, e repare o detalhe, quanto mais endurecida a “carapaça” da unha melhor, estará perfeita para "atacar" algum parafuso mais teimoso!
É o inimigo numero um do chato!! Coça qualquer comichão mais persistente na zona púbica!!
E finalmente... a "piece du resistance"…mulheres há que se deliciam com as potencialidades de tão “habilidosa” ferramenta!
Mas para mim, o verdadeiro acto sublime do ritual de manuseamento é o “grand finale”, em que uma vez extraída a particula que tanto estava a irritar o nariz ou o ouvido, há que tratar de lhe dar o justo sumiço. É agora a vez de entrar em cena a unha do polegar, para que, usando o principio de arquimedes, (o da alavanca), se possa projectar a dita impureza com facilidade e para bem longe da vista, ouvir-se-à um inconfundivel “clic” provocado por ambas as unhas a roçar uma na outra. Repare-se que todo este processo tem algo de delicado e cientifico.
Sem duvidas, e sem favores, o português dá uma lição ao mundo! Astuto, aproveita o que generosamente a mãe-natureza lhe oferece, para daí tirar o maior partido! A polivalencia deste intrumento é indiscutivel!
São 800 anos de história...